Desembargador investigado por cobrar propina pode deixar de atuar

Depois de uma reunião extraordinária entre 65 desembargadores, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina se manifestou sobre a denúncia feita pelo advogado Felisberto Córdova na semana passada.  Durante o julgamento de uma causa que envolvia cerca de R$ 35 milhões, Córdova, na sustentação oral, denunciou o desembargador Eduardo Gallo, relator no processo, por pedir propina para votar favorável. O valor de R$ 700 mil poderia cobrir a proposta feita pela outra parte envolvida no processo que, segundo o advogado, foi de R$500 mil. Foi a bomba da semana no Judiciário, não somente em Santa Catarina. Membros do TJ, informaram depois da reunião desta segunda-feira, que o caso vai ganhar ampla investigação e, caso confirmada a denúncia, o desembargador Eduardo Gallo terá o processo de aposentadoria acelerado, ou seja, vai deixar de atuar. Não a data definida para o fim das investigações. A defesa do desembargador nega os fatos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s